quarta-feira, 15 de abril de 2015

VAMOS EM FRENTE.



Roberto Shinyashiki

Um dia você acorda e percebe que muitas coisas que achava normal começam a deixá-lo chateado, como escutar reclamações dos seus colegas de empresa porque não fez o combinado, ou tomar uma dura do chefe porque seu trabalho está ruim.
Você fica sem jeito de pedir um dinheiro extra a seus pais. Esperar pelo namorado que você ama, mas que nem lhe dá satisfação pelo atraso, começa a incomodar demais. Você liga para sua amiga, convida-a para sair, e ela diz que não pode, pois foi promovida no emprego e está muito ocupada estudando para o novo cargo. O seu amigo de infância liga e convida-o para tomar um chope, porque quer comemorar a compra do apartamento novo, e você se sente inferiorizado.
É, parece que alguma coisa não está indo muito bem!
Você fica sem graça ao ver seus amigos falando sobre suas vitórias, por não ter as suas histórias para contar. Você ainda tenta justificar para si mesmo que é só uma questão de tempo para suas vitórias acontecerem, mas começa a ouvir a voz da sua consciência lhe dizendo que alguma coisa está errada, que não deveria ser assim. O mais forte é a sensação de que você nasceu para uma felicidade que ainda não encontrou. É a impressão de que existe algo melhor à sua espera, que precisa ser alcançado com urgência. Sente que, de alguma forma, você está ficando para trás e desperdiçando as oportunidades da sua vida.
Ao mesmo tempo em que o desconforto aumenta, a voz do medo começa a martelar a sua consciência: "Para que largar as minhas coisas?", "Para que me matar no trabalho se eles não valorizam ninguém?", "Quando for promovido, vou mostrar a minha competência.", "Para que me preocupar com minha namorada se tem tanta gente querendo sair comigo?".
A cabeça da gente começa a ficar confusa escutando duas vozes ao mesmo tempo.
Uma diz para avançar e pagar o preço: "Vá em frente!".
A outra diz: "Você não precisa disso! Relaxe que ainda não chegou a hora. Deixe as coisas como estão!".
Essas vozes vão se repetindo em nossa cabeça, exatamente como aquela cena em que a gente perde um pênalti no final do campeonato da escola — você lembra? A gente fecha os olhos e a cena aparece. Liga a TV e a cena aparece de novo.
Isso começa a gerar uma angústia tão grande que as pessoas que não têm coragem de avançar de verdade na vida começam a tentar calar essas vozes. E fazem isso, muitas vezes, apelando para o álcool, o exagero na comida e até mesmo passando a usar drogas mais pesadas.
Tudo isso são coisas que só calam as vozes por alguns momentos. No dia seguinte, elas voltam com mais cobranças: por que você bebeu desse jeito? Você não vê que está gordo de dar dó? Meteu-se com drogas de novo, não é? Como você pensa que vai sair dessa?
Você percebe que nada acalma a sua ansiedade. Nada disso é solução.
O único caminho é escutar a voz do coração e seguir em frente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário